• Renata Bento

NOVAS FAMÍLIAS

Atualizado: 20 de nov. de 2020

Uma das frases mais conhecidas, 'mãe é uma só', vem avançando nas suas estruturas e modificando seu significado, ao mesmo tempo em que outra frase vem ganhando lugar - ‘pai é quem cria’. Isso para dizer que filho precisa sim ser ‘criado’, no sentido de ser orientado. Diante disso,  abre-se espaço para pensar sobre a criação dos laços afetivos nas famílias. O que seria isso?  Atualmente as "Novas famílias" vêm quebrando esse formato original para nova formação: dois pais, duas mães.  


A família convencional, aquela com pai e mãe, é lugar de garantia para um bom desenvolvimento emocional? E a família homoparental? Podemos pensar que tão somente a configuração da família convencional também não é lugar de garantia de bom desenvolvimento emocional, isto quer dizer que uma família convencional pode não ser funcional e uma família não-convencional também. Não é esse formato objetivo que irá promover a noção de pertencimento do sujeito. O que vai proporcionar o desenvolvimento salutar é a capacidade que esses pais têm de cuidar e de acompanhar o crescimento e amadurecimento dos filhos em cada etapa em que se encontrem. A feitura de laços afetivos e o estabelecimento da relação de confiança e pertencimento surgem através da relação que se estabelece entre essas pessoas.


Diante das inúmeras possibilidades de novas estruturas familiares que observamos na sociedade atual, o que me parece mais adequado indagar seria: como essa família é estruturada? É uma família funcional? Existe um vínculo de pertencimento, há filiação psíquica, dessa criança com a família em que está inserida? Por família funcional entende-se ser aquela que proporciona um ambiente acolhedor, que é continente e que a relação entre os membros é pautada no respeito, no carinho e na lealdade. O desenvolvimento emocional vai acontecer na interação entre as características inatas da criança e o ambiente em que ela vive.  A filiação psíquica ou o sentimento de pertencimento, muito mais que a filiação biológica, ainda pode ser considerado como fator vital para o desenvolvimento emocional de uma criança


E como é que fica isso no dia a dia? Como conversar com a criança acerca de seus questionamentos se ela pertence a uma família homoparental? O que se observa na clínica é que as perguntas e as curiosidades das crianças continuam existindo desde sempre, independente do núcleo familiar a que estão inseridas. É importante salientar que as funções materna e paterna são observadas independente da relação ser homoparental ou heterossexual. Quando se fala em função parental, sabemos que a função materna e a função paterna podem ser desempenhadas por ambos os parceiros. É comum notar ainda em relações homoparentais que um ou outro dos parceiros desempenha mais notadamente uma função do que outra.


A criança precisará da noção de verdade de acordo com o que ela pode entender no dado momento. Por noção de verdade entende-se que deva-se ter sinceridade com a criança explicando a ela como é o modelo de família na qual  está inserida. O acolhimento da dúvida e a conversa serão os aliados para que as questões sejam abertas e discutidas


Assim como sabemos que o sofrimento é inerente ao ser humano, sabemos também que a felicidade é subjetiva e não daria para garantir felicidade a uma criança num núcleo familiar convencional somente baseado nesse critério.  O que quero dizer é que crianças que possuem um lar funcional, um ambiente salutar, com uma família continente, independente de ser formada por um casal homoparental ou heterossexual, possuem a base para um bom desenvolvimento emocional. Assim, a orientação sexual dos pais não é fator determinante para uma boa parentalidade e sim a qualidade do vínculo pais e filhos.


Família, hoje, ao contrário de antes, não é mais ‘tudo igual’. O que ainda deve permanecer e, isso para sempre, é que seja, antes de tudo, um núcleo verdadeiro de afetividade. A família se qualifica, hoje, pela diversidade em busca da noção de pertencimento, aceitando a sua variedade de constituição, onde o seu único comprometimento deve ser os laços de afeto, baseados no amor, na criação de autonomia e no respeito, onde a pluralidade afetiva não pode representar uma ameaça à família e nem à educação e  formação dos filhos. Dito de outra forma, o valor não deve ser colocado na conveniência social, isto quer dizer que a composição familiar não é o mais importante, o que importa de fato é se essa família representa amor, confiança, honestidade e segurança. 


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo